Rua Barão de Itapetininga, 124 - CJ 122 - São Paulo-SP +55 11 5062-3521 Español English Português

Gerenciamento de Riscos e seu maior desafio

Gostou? compartilhe!

Gerenciamento de Riscos e seu maior desafio

O nivelamento das percepções

A origem do risco, bem como a grande missão de gerenciá-lo, são temas discutidos há décadas e o conceito de risco está presente nas mais importantes decisões políticas, econômicas, corporativas e ambientais da atualidade.

As situações de riscos em seus diferentes cenários são agravadas ou amenizadas através da percepção de risco de cada um de nós, e esta situação acarreta no maior desafio para as grandes organizações: O nivelamento da percepção de riscos.

Escalar o Monte Everest pode ser arriscado demais para a maioria, mas para os alpinistas o risco é justamente o maior prêmio da escalada. São estas percepções que nos obrigam a apoiar as decisões no julgamento de cada um, sendo que este julgamento é uma composição entre instinto, intuição,técnica e experiência.

O instinto nos conduz a um determinado comportamento, e esta relação é hoje em dia objeto de estudos da psicologia da motivação, que busca explicações às razões que levam o ser humano a agir desta maneira. A existência e o mecanismo de funcionamento da intuição carregam alguns mistérios ainda não solucionados pela ciência e, apesar de existirem muitas teorias sobre o assunto, nenhuma delas é entendida como definitiva. De qualquer maneira, a intuição leva um indivíduo a acreditar com certo grau de convicção que algo poderá ocorrer. A técnica, sendo um conjunto de regras, normas ou protocolos que se utiliza como meio para chegar a certa meta.

Já a experiência, está diretamente relacionada à vivência de uma pessoa e o meio em que ela vive. É nesta complexidade de fatores que permeiam o comportamento humano que devemos atuar para garantir o nivelamento das percepções de risco.

Este “julgamento” nos dá grande liberdade de escolha, e todos nós nos sentimos à vontade para argumentar em nossas crenças, culturas e experiências. É exatamente neste ponto que reside grande parte do erro de julgamento, pois os riscos podem ser reais ou não, e sempre existe a probabilidade de que as consequências se tornem concretas a qualquer momento.

As organizações podem usar duas preciosas armas para provocar e garantir o nivelamento e a uniformização da aplicação dos conceitos, e ao mesmo tempo exercitar a percepção de seus colaboradores: A gestão de riscos e a disciplina.

A Gestão de Riscos, que pode utilizar diversos tipos de ferramenta, sendo que a APR - Análise Preliminar de Riscos é uma das mais populares e eficazes, é fundamentada no conceito de prevenção de perdas, que se inicia pela identificação dos cenários, sempre com o envolvimento das partes interessadas no processo e nos riscos analisados. Este envolvimento garante que o resultado final tenha sido construído por todos e, consequentemente, haja um o comprometimento necessário para o desenvolvimento das atividades a efetividade atendimento dos controles operacionais existentes. Além disso, uma boa gestão compreende a garantia da implementação de controles operacionais propostos e avaliação da eficácia destes controles sempre que possível.

Na década de 1970 o filósofo francês Michel Foucault já dizia em Vigiar e Punir que a disciplina seria a chave para o saber da sociedade moderna, pois a disciplina cria “corpos dóceis”, ideais para as exigências modernas em questões de economia, política, fábricas e nas classes escolásticas”. Baseados nesse conceito podemos associar a disciplina à cultura organizacional, missão, valores, cumprimento de procedimentos, instruções e controles operacionais para a mitigação/eliminação de riscos, juntamente com o atendimento aos requisitos legais aplicáveis e vigentes. É possível ir além, exercitando o ato de disciplinar todos no entorno, penetrando assim no princípio do cuidado ativo de saúde e segurança do colega de trabalho, prestador de serviço, vizinho e até mesmo nossa família.

Para que possamos atingir a excelência de nossos processos, faz-se necessário o aprimoramento contínuo da gestão de riscos, da disciplina operacional e, sem dúvida nenhuma, da gestão de pessoas como base fundamental para a solidificação e desenvolvimento destes conceitos.



Gostou? compartilhe!